Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A privatização da água. Alguns modelos europeus

por Faust Von Goethe, em 27.02.13

Por Eduardo Dantas no seu blog pessoal:

(...)
Em relação à privatização da água, o problema coloca-se mais no envolvimento do sector privado na gestão dos serviços de abastecimento de água, do que na propriedade, por parte do sector privado, de títulos de utilização dos recursos hídricos – que permitem a sua venda – ou envolvimento deste no financiamento de infra-estruturas e serviços. Tem sido a privatização dos serviços de abastecimento de água – com um rol de casos, espalhados pelo mundo, que poucos benefícios trazem para o consumidor final – que mais controvérsia tem gerado. Até 1980 - com excepção da França e de alguns fornecedores privados em Espanha e Grã-Bretanha - o sector da água era detido e gerido por entidades públicas. Aliás, ainda hoje, cerca de 70% do europeus bebem água distribuída por operadores públicos ou, maioritariamente, públicos. Ora, com um mercado potencial tão vasto, é compreensível o apetite dos privados. 

(...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:32

Notas Soltas #1

por Faust Von Goethe, em 27.02.13

I
 

Anda meio mundo preocupado com as eleições em Itália e a cantar de Grillo. Não vale a pena!
As eleições italianas provaram que a democracia ainda funciona e provou que os políticos italianos, por mais corruptos que sejam, são velhas raposas.
Destas eleições, há apenas 2 observações a reter:
i) Os italianos são pró-europeus mas anti-bruxelas.
ii) O resultado das eleições italianas coloca em causa o processo de integração europeia.


II


Ainda sobre o cantar de Grillo: Portugal já teve os seus Grillo's mas com apelido mais comestível que nos traz à memória fiambre e salsichas enlatadas. Da ascenção meteórica (candidato a PR) à queda (candidato a presidente da AR) foi um instante durou menos de 1 ano.
É assim que devemos olhar para candidatos de protesto sem qualquer substância política e sem consciência social. Se falássemos da ascenção política de líderes como Morales (Bolívia) e Correa (Equador), aí a estória seria outra e teríamos mais que investigar. É com estes líderes de protesto que a Europa deveria aprender.

 

III

 

Que me perdoem a minha falta de patriotismo, mas não encontro no cancioneiro Português música tão interventiva, do ponto de vista social, como as músicas da época em que surgiu o movimento tropicalista no Brasil. Qualquer música dos Mutantes mete, em termos de conteúdo, músicas como "Grândola Vila Morena" entre outras a um canto. Falo-vos de riqueza musical e de multiculturalidade.  

Ao contrário da música de intervenção em Portugal, sempre ligada ao saudosismo de uma pátria longínqua e utópica e associados aos movimentos de esquerda, com especial incidência a sul do rio tejo e e alentejo, o movimento tropicalista [brasileiro], para além de ser um movimento de protesto usando técnicas análogas ao que os escravos usavam quando desenvolveram a Capoeira, contribuiu-e muito- para a revolução cultural do brasil até aos dias que correm.
Pelo Brasil, Caetano Veloso e Gilberto Gil que lançaram as suas carreiras, em paralelo com a ascenção do movimento tropicalista, ainda produzem. Por cá, os resquícios de Zeca (Zé Mário Branco, Janita Salomé, Vitorino et all ) parecem já estar "embalsamados". Resta-nos, numa esperança saudosista, entoar o seu cancioneiro, até que a garganta nos doa. 

Ter começado recentemente a estudar história e os costumes do Brasil dá nestes devaneios psicadélicos.


IV


A par da igreja católica, os relacionamentos também estão em crise, ou talvez, em metamorfose.

Nos tempos que correm, é tão ou mais mais importante assumir um compromisso/matrimónio online numa rede social que assumir propriamente o mesmo perante a igreja, ou até mesmo perante o registo civil. 
Esta é a conclusão que retiro dos lembretes e avisos que recebo regularmente na minha conta de Facebook.


Adenda: A rúbrica "Notas Soltas"-que hoje começa-é uma rúbrica tendenciosa, consciente mas ao mesmo tempo, provocatória. As opiniões aqui expressas são da total responsabilidade do autor. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:40

Flashback d'O Estado da Nação.

por Faust Von Goethe, em 26.02.13

 

Portugal sempre foi um país de treinadores de bancada e de profetas da desgraça. Não era preciso sê-lo para adivinhar o que vinha aí!

O desastre orçamental com que Portugal está actualmente confrontado mostra que as previsões do Banco de Portugal foram as únicas que estiveram sempre em linha com a execução orçamental.

Os posts abaixo foram escrito por mim há um punhado de meses atrás. Só falta mesmo colocar em cima da mesa a questão da renegociação da dívida como forma de evitar um eventual colapso.

 

(...)No próximo ano será Itália que fará a Europa mexer. Ninguém sabe ainda o que fazer, tendo na mira um eventual regresso de Berlusconi e tendo um Monti que, embora enfraquecido, persiste em levar avante uma agenda austera e reformista. A janela que o liberalismo entreabriu no século XIX para a fomentação da democracia através do exercício parlamentar pode, em pleno século XXI, voltar a fechar-se caso os juízes alinhados politicamente ou dissidentes, usem o tribunal constitucional como panteão da democracia.

(...) 

em 2012-O Caleidoscópio da Crise.

 

(...) é bem provável que a redução no investimento por parte dos privados durante o próximo ano assim como outras componentes da despesa agregada anexadas à flutuação das taxas de juro-consequência directa da dívida pública se situar na casa dos 120%- conduzam ao tsunami que advém do 'credit crunch'-o 'crowding-out'.


em O segredo que não passa de uma mera constatação.

 

(...)

Por mais que Álvaro Santos Pereira e Assunção Cristas tentem vender que este Orçamento de Estado tem medidas que visam ao potenciar do crescimento económico e ao estimular do empreendedorismo em áreas como a economia e a agricultura, uma coisa ficou clara para aqueles que já tiveram oportunidade de ler as linhas gerais do Orçamento de Estado para 2013. Quem vai pagar os devaneios de Santos Pereira, Cristas e dos restantes ministros [empenhados em fazer obra] não é o investimento replicativo. São os contribuintes.
(...) 

em Estamos saturados disto!

 

(...) 

Tal como Portas [e Gaspar], acredito que dentro de um ano teremos a balança comercial equilibrada. No entanto, a tendência de queda acentuada do poder de compra a nível interno, irá fazer disparar as falências e o desemprego. Por conseguinte, a diminuição do número de trabalhadores a descontar irá aumentar as despesas com a segurança social. Logo, a probabilidade de não cumprirmos com as metas do défice em 2013 é bastante elevada. Em termos gerais, esta é uma das conclusões que se pode retirar após ler o Global Outlook para o quarto trimestre do banco [francês] BNP Paribas.(...)

 

em O Estado da Nação

 

(...)
Houve um deslumbramento inicial da 
blogosfera pela troika e pelas promessas [incipientes] deste [novo] governo- o governo falava e os bloggers ouviam e reproduziam mimeticamente a mensagam, sem vacilar. Demorou algum tempo até que a blogosfera reagisse, ao questionar a eficiência das medidas de austeridade. No entanto, com o agravar da crise e com a percepção do cenário global da crise do euro, as opiniões mais antagónicas de alguns bloggers começaram a fazer sentido e a passar, opiniões essas que começam a influenciar os restantes bloggers, da esquerda à direita. (...)


em  Blogar em tempos de crise.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:22

Expresso da Lusitânia-Digest (*)

por Faust Von Goethe, em 12.02.13
Palavras do Papa no Consistório em que anunciou a resignação
        

Queridíssimos irmãos,

Convoquei-vos para este Consistório, não apenas por causa das três
canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande
importância para a vida da Igreja.

Depois de examinar reiteradamente a minha consciência perante Deus, cheguei
à certeza de que, pela idade avançada, já não tenho forças para exercer
adequadamente o ministério de Pedro (petrino).

Ler mais em:

http://maislusitania.blogspot.pt/2013/02/palavras-do-papa-no-consistorio-em-que.html

 

Para acabar de vez com o equívoco (ou não)
da social-democracia e outros mitos   
 
Historicamente, a expressão social-democracia tem origem em França, em
Fevereiro de 1849. Depois de derrotados na Revolução de 1848, os grupos
revolucionários agrupam-se no Partido Democrata-Socialista ou
Social-Democrata, sendo esta forma abreviada (social=socialista) a mais
comum.

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2012/11/para-acabar-de-vez-com-o-equivoco-ou.html



Salazar e os actuais políticos pedintes
Memórias de um outro Portugal
 
Corria o ano da graça de 1962 (já lá vai meio século). A Embaixada de
Portugal em Washington recebe pela mala diplomática um cheque de 3 milhões
de dólares (em termos actuais algo parecido com 50 milhões €) com
instruções para o encaminhar ao State Department para pagamento da primeira
tranche do empréstimo feito pelos EUA a Portugal, ao abrigo do Plano
Marshall.

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2013/01/salazar-e-os-actuais-politicos-pedintes.html

  

O medo de Salazar… 
 
O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), dependente do
Ministério da Justiça, decidiu não autorizar o rótulo «Memórias de Salazar»
com que o Município de Santa Comba Dão pretendia comercializar algum vinho
da região.

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2012/12/o-medo-de-salazar.html

 

Universidade católica ou caótica?  
 
Quem seguir relativamente de perto o que se passa na Universidade Católica
Portuguesa não pode deixar de se interrogar sobre a sua natureza real no
que toca ao cristianismo é à sua missão.

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2013/01/universidade-catolica-ou-caotica.html

 


 

O abortista e pro-invertidos Obama é o maior
para a senhora professora da «católica»
 
A senhora professora liberalóide da universidade caótica (dita Universidade
Católica Portuguesa) Lívia Franco participou mais uma vez no programa da
Sic Notícias Opinião Pública (22.1-2013). Com tanto tempo de antena, o
Balsemão e seus assalariados lá sabem porquê.

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2013/01/o-abortista-e-pro-invertidos-obama-e-o.html

 

A lei de «identidade de género» e os limites
da omnipotência do legislador (1)
 
No momento em que escrevo [2010], está em discussão numa comissão da
Assembleia da República o Projecto de Lei nº 319/XI, do Bloco de Esquerda,
que «altera o Código de Registo Civil, permitindo a pessoas transexuais a
mudança de registo do sexo no assento de nascimento»[1].

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2012/12/a-lei-de-identidade-de-genero-e-os.html

 


As finanças do PCP e a sua morte anunciada
 
A implosão da União Soviética veio criar aos partidos comunistas alinhados
com Moscovo vários problemas. O mais óbvio problema foi o do desprestígio
político adicional a que ficaram sujeitos com a desagregação do «paraíso»
terreno que apregoavam. Mas a este juntou-se outro que foi corroendo os
partidos moscovitas: o fim do financiamento das suas máquinas de
organização e propaganda.

Ler mais em:
http://www.maislusitania.blogspot.pt/2013/01/as-financas-do-pcp-e-sua-morte-anunciada.html

 

 
Os nossos historietadores e o chamado
«homem novo» do Estado Novo 
 
No documentário gauchô da RTP2 sobre António Ferro (lá voltaremos no devido
momento), os historietadores do regime da III República Irene Pimentel e
Fernando Rosas, ambos da escola da historiografia marxista, criticam o
Estado Novo e Ferro por este pretender fabricar um homem novo.

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2012/12/os-nossos-historietadores-e-o-chamado.html

 

A ditadura nazi dos invertidos

                
Cristão poderá pagar multa de 50 mil dólares por não fazer bolo de
«matrimónio» invertido

Um pasteleiro cristão de Gresham, estado de Oregon (Estados Unidos), poderá
pagar uma multa de 50 mil dólares por ter-se negado a preparar um bolo de
casamento para um casal de lésbicas.

Ler mais em:

http://maislusitania.blogspot.pt/2013/02/a-ditadura-nazi-dos-invertidos.html




Portugal - Tempo de Todos os Perigos
 
Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2012/11/portugal-tempo-de-todos-os-perigos.html

 
A RTP, antro de corrupção da juventude e infância
 
A PSP teve acesso a vídeos da RTP… A administração não deu autorização… Os
desordeiros foram indevidamente identificados pela polícia… Que atentado à
liberdade! Que chatice0! Isto já parece o fascismo, pá!
Serão estes para os Portugueses os verdadeiros problemas da RTP nesta
sociedade democratista?

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2012/12/relatorio-direccao-da-confederacao_9.html

 

Eslováquia resiste e não retira auréolas
dos santos Cirilo e Metódio impressas nas moedas
                 

Resistindo à pressão da Comissão Europeia, o Banco Nacional da Eslováquia e
a maioria da oposição, a Eslováquia votou para que se mantenha o desenho
original da moeda comemorativa da evangelização da Grande Morávia pelos
dois irmãos e santos Cirilo e Metódio, grandes evangelizadores e
construtores da cultura dos países eslavos.

Ler mais em:

http://www.maislusitania.blogspot.pt/2012/12/eslovaquia-resiste-e-nao-retira.html

(*) Recebido por e-mail.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:34

Ulrich e os sem-abrigo escurinhos

por Antero Neves, em 01.02.13

A primeira frase que escrevi quando comecei a redigir este texto foi apagada, e foi-o porque me soou tão familiar que resolvi substituí-la pela original, que será, com certeza, melhor que a minha. A frase é esta:

 

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.

 

e é adequada porque os acontecimentos desta semana serviram para me convencer que vivo num país em que o que nos sai da boca não é avaliado pela veracidade ou realismo das nossas palavras, mas pela conta bancária, posição social ou quadrante político.


Um pais em que se desculpa o racismo e se condena a constatação de que somos todos iguais.

 

Se não for assim, como se explica que na Assembleia da República se indignem por alguém simplesmente se conformar com o facto de que se uns suportam viver nas ruas os outros também o suportariam, enquanto que insultos como "rei-mago escurinho" passam impunes?

 

Querem condenar? Então condenem mas sejam coerentes.

 

Já agora, aproveito outra expressão: se eu aguento mais hipocrisia? Ai aguento, aguento! Sei que vou ter de aguentar porque eles não mudam.

 

 

Quo vadis societatis?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:39




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728






Contador