Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O novo deus animal

por Diogo Dantas, em 26.10.12

Sempre tive animais de estimação em casa. São uma óptima companhia e camaradas que tornam o caminho mais plano e suportável. Também por isso, temos obrigação de os tratar dignamente. Não faz sentido outro tipo de comportamento. Mas numa sociedade egocêntrica e com indivíduos cada vez mais solitários, os exageros deixam de ser meras excepções. Devemos proteger e respeitar os animais, a natureza e o sistema ecológico que nos rodeia. Mas daqui ao extremismo absurdo do que nos rodeia, é caso para sublinhar que se calhar vivemos mesmo numa nova Idade Média do pensamento e do comportamento humano.

 

O que me surpreende é que, mesmo não acreditando na alma, o ser humano não pode ser cientificamente comparado a um animal. Aliás, nunca entenderei as pessoas que devotam a vida a proteger animais quando há seres humanos a morrer devido à ignorância e maldade; nunca entenderei quem compra comida gourmet para animais de estimação quando há crianças a morrer à fome ao nosso lado.

 

Posso compreender a pobreza de espírito que exalta o animal como novo deus, posso ter compaixão das pessoas que substituem o animal de estimação pelo companheiro ou filho que não têm a coragem de ter. Mas há um grande atestado de estupidez em formalizar a nova ideologia corrente que eleva o animal e teima em diminuir o ser humano na mesma proporção. Há uma coisa que um cão, ou qualquer outro animal, tem e que nós andamos a perder: o instinto de sobrevivência e de preservação da espécie. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:31

A minha luta

por Diogo Dantas, em 11.10.12

Ser católico, mais do que convicção profunda, faz parte das minhas raízes, formação e até cultura. Ter crenças profundas e tradicionais é cada vez mais difícil, num mundo relativista onde tudo se compra e vende, onde o facilitismo comanda a vida e o sacrifício é visto como um desvio sem sentido. A maior parte das pessoas acham-se possuidoras de um espírito livre, mas têm medo de estabelecer compromissos ideológicos e estão sempre cingidas a princípios que as oprimem, decepam e restringem.

 

A busca da felicidade é cada vez mais uma obrigação a que ninguém pode fugir, um alimento inebriante que todos devem consumir, o carro, o telemóvel, o sucesso profissional, a casa, a conquista amorosa, o materialismo selvagem numa época que é a idade média da mente e da liberdade de consciência do ser humano.

 

Para lá de todo o folclore e das promessas de um futuro sem dor nem rejeição, esse maravilhoso mundo é oco, vazio de sentido e direcção. A verdade é que essa procura paranoica pelo prazer imediato é mais antiga do que o homem e consegue-se ver em qualquer animal irracional sem consciência e inteligência. É demasiado fácil entregarmo-nos às paixões, deixarmos cair o que é duradouro em troca de momentos de prazer. O problema é que essa finalidade impaciente não ganha raízes ou força e alimenta-se da autocomiseração egocêntrica e da superficialidade. Há sempre um momento em que uma pequena voz nos diz para fazer o que está certo e seguir o caminho da coerência e da lealdade. Podemos escolher ouvi-la ou optar sempre pela via mais fácil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:25




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Posts mais comentados